Sensor DS18B20 com ESP8266 e tago.io

Um dos exemplos mais utilizados em apresentações de Internet das Coisas é o sensor de temperatura, utilizando a nuvem, é claro. Normalmente, nesse exemplo, é dado um cenário em que a temperatura de uma sala, máquina ou quarto precisa ser monitorada, seja para o controle do ar condicionado ou mesmo para monitorar o funcionamento correto de um equipamento.

Para recriar esse exemplo, vamos focar na coleta dos dados de um sensor pelo ESP8266 e o envio para uma plataforma na nuvem, que neste caso vamos utilizar a plataforma da tago.io, mas poderá ser qualquer outra plataforma.

 

Sobre a tago.io

logo tago.io

A tago é uma startup localizada nos Estados Unidos que desenvolve uma plataforma para a coleta de dados de dispositivos conectados.

Para maiores informações a respeito da Tago, acesse: tago.io

A Tago foi uma das primeiras parceiras do blog!

 

O Hardware

O hardware utilizado será um ESP8266, placa nodeM e o sensor de temperatura é o DS18B20 da Maxim Integrated.

O sensor DS18B20, é um sensor de temperatura de 1-Wire (apenas um fio da dados bidirecional), que mede temperaturas entre -55 até 125°C, com uma precisão de 0,5% entre -10 e 85°C e resolução de 12bits.

Não vou entrar em muitos detalhes do sensor, já que foi muito bem abordado no blog do Djames Suhanko.

O sensor tem três terminais, ou fios, dependendo da versão, componente PTH ou o sensor à prova d’água. Para fazer a ligação, precisamos de apenas um pino digital do ESP, o que ajuda muito a economizar GPIO.

Se tiver mais que um sensor, pode ser usado o mesmo pino, já que o sensor é endereçável e permite mais de um sensor no mesmo barramento/pino. Para ligar o sensor, vamos seguir o esquema abaixo:

  • Vermelho: VCC (3 a 5.5V)
  • Preto: GND
  • Laranja: Dados

Para o pino de dados, é necessário um resistor de pullup de 4.7k (entre o VCC e Dados).

 

A plataforma

A plataforma Tago não é 100% gratuita ou open-source, mas dispõe de um plano gratuito com limitações. Neste plano, é possível criar até 5 dispositivos, 25 mil registros na base de dados, 100 mil requisições por mês e ainda a criação de até 5 dashboards (painéis de visualização dos dados) entre outras funções.

Frente as outras opções de plataformas gratuitas, o grande diferencial da Tago é que em um projeto maior, o plano gratuito pode ser convertido no plano pago, aumentando as capacidades da plataforma e as possibilidades do projeto.

No geral, para projetos maker, a Tago é uma excelente opção, com muitas funcionalidades interessantes.

 

Integração

Para iniciar, vamos criar uma conta na tago.io, e cadastrar o nosso primeiro device lá. Para isso, após o cadastro, faça o login e clique em “Device” e depois no sinal de mais (+) no canto superior direito para adicionar um novo dispositivo. Preencha as informações e salve.

Apos o dispositivo adicionado, acesse novamente o dispositivo no menu “Devices” e selecione a aba “Tokens”. Esse token será usado para o ESP enviar os dados para ele, no “bucket” (base de dados) correto.

Copie o token/apiKey no código abaixo, compile e grave no ESP.

 

Código

 

Feito isso, os dados serão enviados para a Tago e armazenados no sistema. Dá para criar um dashboard agora com os dados que estão sendo enviados, com gráficos, gauges, tabelas, entre outros widgets disponibilizados na plataforma.

Conclusão

A plataforma da Tago é uma alternativa bem interessante para quem está procurando uma solução que possa atender a demandas comerciais num futuro próximo, já que com planos pagos, existe um suporte que pode ser a diferença em projetos mais complexos.

 

 

Deixe seu comentário